Um estudo recente do canal infantil por assinatura Discovery Kids mostrou que as crianças passam cada vez mais tempo dentro de casa, em frente a televisão, e que, nesses momentos é ela quem decide o que assiste na telinha. De acordo com a pesquisa, 57% das crianças possuem TV no quarto. Na hora de selecionar o conteúdo, 64% dos pais afirmam que é a criança quem decide ao que vai assistir e qual canal prefere. 

No Brasil, os pequenos passam mais de 5 horas por dia em frente a TV, segundo dados do Ibope. Com tanto tempo dedicado às telas, fica a questão do conteúdo e da quantidade de publicidade a que estão expostos. Outro dado mostrado na pesquisa foi que 83% dos pais levam as crianças junto quando vão fazer compras, sendo que brinquedos, biscoitos e guloseimas são os produtos que as crianças mais escolhem.

Não é muito difícil fazer uma relação entre a quantidade de publicidade a que a criança assiste diariamente e os produtos desejados para seu consumo. Pesquisa do Datafolha, realizada a pedido do Criança e Consumo, mostrou que para 79% dos pais os comerciais de fast food e de alimentos não saudáveis dirigidos às crianças prejudicam o hábito alimentar dos filhos. Para os entrevistados, os comerciais também prejudicam os esforços dos adultos na educação alimentar.

No ano passado, na semana que antecedeu o Dia das Crianças, o Criança e Consumo fez um monitoramento de cinco canais fechados e dois canais abertos para identificar a quantidade de publicidade veiculada durante a programação infantil. Não deu outra, o bombardeio foi absoluto! As crianças ficaram sujeitas a mais de 1.000 inserções comerciais em apenas dez horas.

Esse volume de publicidade e apelo para o consumo pede por uma regulamentação urgente. É preciso ter regras claras para os anunciantes, que deveriam direcionar suas mensagens aos adultos e não ao público infantil, que é sabidamente hipervulnerável por estar em fase de desenvolvimento.

Agora, também cabe aos pais conhecer os conteúdos a que seus filhos assistem e impor limites. O diálogo é o caminho para o sucesso! Outra dica é estabelecer regras e um tempo determinado para que a criança veja televisão. Nunca mais de 2 horas por dia. Além disso, vale a pena tirar a TV do quarto e dos ambientes onde se faz as refeições. Lembrando sempre, é claro, que bebês menores de 2 anos não devem ser expostos a qualquer tipo de tela.

Compartilhe :   
  1. Pollyanna
    Pollyanna em Sexta-feira 18 Novembro 2011 23:43
    Olá, Redação!
    Eu sou jornalista e estou realizando um artigo científico sobre este blog como produto final do meu MBA em Jornalismo Digital. Gostaria de enviar, posteriormente, meu projeto com a finalidade de alguém da equipe conceder-me uma entrevista.
    Nesse sentido, adianto-lhe que o foco da minha pesquisa é o combate do marketing abusivo realizado pelas indústrias alimentícias.
    Desde já agradeço pela atenção. E espero contar com a colaboração de vocês.

    Obrigada,
    Pollyanna Letícia MTB 654/TO.
  2. Equipe Criança e Consumo
    Equipe Criança e Consumo em Segunda-feira 21 Novembro 2011 16:54
    Olá, Pollyanna. Agradecemos o seu interesse e estamos à disposição para contribuir no que for preciso. A equipe da nossa coordenação de Educação e Pesquisa entrará em contato com você em breve. Abs!

Comentários encerrados.