A Consumers International (CI), organização sem fins lucrativos que une mais de 220 instituições internacionais de proteção ao consumidor, lançou essa semana um guia para governos e sociedades civis que queiram coletar dados sobre o marketing de alimentos não saudáveis para crianças. O Manual para monitoramento de marketing de alimentos para crianças traz dicas de como criar padrões para definir o marketing dirigido a crianças, incluindo a categorização de comidas e bebidas não saudáveis, além de como interpretar os dados coletados.

A ideia é expor as estratégias de comunicação e o investimento multimilionário feito pela indústria para promover produtos com alto teor de gorduras, açúcares ou sal para crianças, possibilitando que essas informações sejam utilizadas para a criação de leis que regulem a questão. O uso do marketing de alimentos direcionado ao público infantil já vem sendo debatido como um dos fatores contribuintes para o aumento dos níveis de obesidade e sobrepeso infantil em todo o mundo, e o seu monitoramento é inclusive uma das recomendações da OMS para a luta contra a doença. Mundialmente, já são estimadas mais de 170 milhões de crianças com sobrepeso ou obesas, enquanto no Brasil o sobrepeso já atinge mais de 33% das crianças entre 5 e 9 anos, segundo o IBGE.

O documento foi lançado alguns dias antes da Reunião de Alto Nível da ONU para debater o enfrentamento de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs), que acontece em Nova Iorque nos dias 19 e 20 de setembro. O encontro vai abordar a falta de ações efetivas para enfrentar a obesidade no mundo e seu impacto no aumento de doenças como diabetes, hipertensão e problemas cardíacos. A Presidente Dilma Rousseff estará presente no evento, onde apresentará o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento de Doenças Crônicas Não Transmissíveis brasileiro.

Compartilhe :   

Comentários encerrados.